Highslide for Wordpress Plugin

Diocese de Osasco

Últimas Notícias

Diocesanas, Notícias › 15/10/2018

Paróquia Nossa Senhora da Penha

Em meados de 1590, o mameluco Affonso Sardinha, o velho, conhecido como Capitão-Mor de São Paulo de Piratininga registra ter encontrado ouro de lavagem nas proximidades do Morro do Vuturuna.

Em 04 de Dezembro de 1605 (data considerada como marco-zero luso-católico histórico da formação de Araçariguama) Affonso Sardinha, o moço, inaugurou a capela aos devotos de Santa Bárbara, protetora dos mineradores e dos militares, ao pé do Morro do Vuturuna, nos arredores do local hoje conhecido como morro do Cantagalo, onde descobriu-se um vasto veio aurífero em Araçariguama.

A vila começou a se formar entre 1625 e 1640, com a dispersão e fixação dos fazendeiros e bandeirantes, estes atraídos pelo ouro, a partir de Santana de Parnaíba por áreas próximas, principalmente as margens do rio Tiete e ao ribeirão Araçariguama, afluente da margem esquerda do rio Pirapora. Muitos desses bandeirantes paulistas se fixaram em Araçariguama em função da exploração do minério. Dali saíram em direção ao interior brasileiro e para suas fazendas, posteriormente retornaram com seus carregamentos de ouro, pedras preciosas ou mesmo centenas de índios capturados.

Em 1648 foi edificada a capela de Nossa Senhora da Penha, onde Rodrigo Gonçalo Bicudo Chassin, deu início ao vilarejo que mais tarde se tornaria o povoado de Araçariguama, sendo construída em taipa de pilão. Tendo por bispo Dom Pedro da Silva Sampaio, da Diocese de São Salvador da Bahia (7º Bispo do Brasil).

Entre 1650 e 1653 foi construída em parte da Fazenda Araçariguama, adquirida pelo Capitão-mor Guilherme Pompeu de Almeida, a Capela de Nossa Senhora da Conceição; nas proximidades do Ribeirão do Colégio, onde hoje está localizado o Bairro do Rio Acima, constituindo-se no decorrer do tempo a mais importante edificação religiosa em território araçariguamense, principalmente pela notoriedade e respeito da família que mandou construí-la, pois detinham posses em toda a região que ia de São Paulo às Minas Gerais.

“A respeito de Araçariguâma, menos acertadamente escreve Azevedo Marques, aliás paciente e criterioso investigador: “Pequena povoação que deve a sua origem à influência dos notáveis paulistas capitão-mór Guilherme Pompêu de Almeida, seu filho o Padre Dr. Guilherme Pompêu de Almeida e Francisco Rodrigues Penteado, que ahi edifcaram a capella, depois matriz da paróchia, por esforços do Padre Belchiór de Pontes. Do liv. 1.° de Registro de Provisões da Câmara Episcopal consta que, em 1653, foi a paróchia desmembrada de Parnahyba, com a invocação de N. Senhora da Penha.”’

Em 1653 a capela de Nossa Senhora da Penha foi elevada à condição de paróquia e hoje é a matriz do município, localizada na área central, foi considerada uma das mais importantes do território, então pertencente a vila de Parnaíba, nas proximidades do Morro do Vuturuna, onde outrora se encontravam os principais veios auríferos de São Paulo, explorados por Affonso Sardinha desde 1590.

Em 1738 foi edificada pelo Padre Guilherme Pompeu de Almeida, a capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição tendo sido construída para atender as atividades religiosas dos administradores e escravos das fazendas da família, local hoje conhecido com Sítio dos Barbosa.

Durante toda a história da paróquia Nossa Senhora da Penha houve vários visitadores, dentre eles, considerados mais importantes: Dom Frei Antônio de Guadalupe, Bispo do Rio de Janeiro (18/02/1728); Dom Frei Manuel da Ressureição, Bispo de São Paulo (12/05/1772) e Dom Antônio Paes Camargo, todos bispos fizeram observações e exigiram dos padres que fizessem reformas e melhorias na Igreja, uma vez que a mesma se encontrava em mal estado de conservação.

Depois de várias reformas em suas bases, principalmente as registradas em 1772 e 1833 e a última entre 1965, 1967 e 1997, a Igreja de Nossa Senhora da Penha foi vitimada por algumas transformações em sua estrutura arquitetônica, resguardando, porém, as características básicas do período de sua construção.

Foram muitos os padres que trabalharam na Paróquia de Nossa Senhora da Penha, no decorrer de sua história muitos vigários providos de Santana de Parnaíba, Pirapora e São Roque também contribuíram com a evangelização, homens notáveis que doaram suas vidas no recém povoado de Araçariguama. Dentre eles: Frei João Soares (1708); Frei Francisco da Victória (1710); Padre Alexandre de Gusmão (1712); Padre Ignácio de Almeida Lara (1719); Padre Francisco José Guedes (1750); – Padre Dr. Manuel da Costa Aranha (1748 – 1764); Padre José Rodrigues de Oliveira (1791 – 1795); Padre Francisco Metello Homem (1827-1831); Padre Manoel Zeferino de Oliveira (1856-1888); Padre António Maria Vieira (1914).

E os padres mais recentes, Pe. Jonh Mc Guire; Pe. Osmar Alves; Pe. José Eduardo da Silva, Pe. Luiz Sochiarelli, Pe. Sebastião Correa (pároco atual), e hoje, vigário paroquial o Pe. Eduardo Sobrinho que desempenhará seu ministério a partir desse mês. A paróquia está localizada em grande área territorial 146,3 km², dentro de um contexto plural: urbano, industrial e rural, sendo celebrada a padroeira da paróquia e do município no dia 16 de setembro, festa solene e grandiosa, antecedida por uma bonita novena.

A Paróquia Nossa Senhora da Penha consta de 16 comunidades:

  • Igreja Matriz Nossa Senhora da Penha (centro);
  • Igreja São José (Jardim Brasil);
  • Igreja Nossa Senhora da Conceição (Bairro da Aparecidinha)
  • Igreja Nossa Senhora Aparecida (Bairro St’Ella)
  • Igreja Nossa Senhora Imaculada Conceição (Bairro do colégio)
  • Igreja Nossa Senhora de Lourdes e São Joaquim (Bairro do Butantã)
  • Igreja Santíssima Trindade (Bairro Ibaté)
  • Igreja São Benedito (Bairro Mombaça)
  • Comunidade Nossa Senhora de Fátima (Bairro Igavetá)
  • Comunidade Santa Rita de Cássia (Bairro da Lagoa)
  • Comunidade São Sebastião (Bairro Cintra Gordinho)
  • Comunidade Nossa Senhora das Graças (Bairro Viçoso)
  • Comunidade São Bento e Santa Luzia (Bairro Caxambú)
  • Comunidade Santo Expedito (Castelo Branco – km56)

 

 Carlos Augusto de Andrade – Seminarista Ano Pastoral

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X