Highslide for Wordpress Plugin

Diocese de Osasco

Últimas Notícias

Diocesanas, Notícias › 10/11/2018

O lugar e a missão dos leigos nos dias atuais

Jesus confiou aos Apóstolos, e neles toda a Igreja, a missão de anunciar o seu Evangelho para todos os povos: “Ide por todo o mundo, anunciai a Boa-Nova a toda criatura…” (Mc 16,15).

Neste nosso tempo, as realidades de vida das pessoas são muito diferentes, mas a missão é a mesma. Surgiram novas exigências e novos desafios, mas é preciso ir e anunciar o Evangelho, procurando pedagogias e formas adequadas de resposta aos anseios dos homens e mulheres de hoje, para que possam encontrar na mensagem evangélica, uma experiência de fé e perseverança, para encontrar a felicidade da própria salvação.

A missão é clara, está presente em qualquer tempo e lugar, é o hoje e o aqui! É urgente que todos reconheçam e se sintam parte dessa missão, que todos assumam os seus compromissos de apóstolos, cada um de acordo com a sua condição eclesial: os ministros ordenados (bispos, presbíteros e diáconos) no serviço da Palavra e dos Sacramentos, nos respectivos ministérios, e os leigos na sua condição de batizados, cuja vida tem uma especial referência às realidades temporais.

Anunciar, denunciar, viver e testemunhar a fé nestes campos é missão e tarefa própria dos leigos. Ser apóstolo é exigência do Batismo e manifestação de compromisso eclesial nos grupos informais, associações, movimentos e obras laicais. O que se pede aos leigos hoje são participação e a corresponsabilidade, colaborando na reflexão e na ação pastoral, dando o testemunho de uma vida de fé assumida dentro e fora dos espaços especificamente eclesiais.

Entender a participação dos leigos

Na ação transformadora o leigo é chamado a ser um autêntico sujeito eclesial. O cristão é sujeito na medida em que, consciente de sua condição, exerce com discernimento e autonomia sua missão na Igreja e no mundo. A ação transformadora do sujeito eclesial pode ter diferentes significados ou modos de realização: primeiramente, um significado testemunhal como presença que anuncia Jesus Cristo por meio das ações quotidianas de cada cristão ali onde se encontra, na sua condição de cidadão comum. Outro modo de entender é o “agir”, acentua o aspecto da ética e da competência cidadã, quando cada cristão vive sua fé exercendo da melhor forma possível sua própria atividade profissional, contribuindo assim, para a construção de um mundo justo e solidário. A ação do sujeito eclesial pode também ser reconhecida e organizada na forma de serviços, pastorais, ministérios e outros grupos organizados pela própria igreja.

Seminarista Diego Medeiros
Ano Pastoral

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X