Highslide for Wordpress Plugin

Papa no Angelus: não fechemos o coração aos que nos ofendem

Foto: Cléofas

 

Antes da oração mariana do Angelus e dirigindo-se aos milhares de fiéis e peregrinos presentes na Praça de S. Pedro, o Papa Francisco comentou o Evangelho que nos oferece um ensinamento sobre o perdão, perdão – disse o Papa – que não nega a ofensa sofrida, mas reconhece que o ser humano, criado à imagem de Deus, é sempre maior que o mal que ele comete.

Pedro pergunta a Jesus quantas vezes deveria perdoar se um irmão lhe ofendesse, pensando que sete vezes poderia bastar como bom sinal de perdão:

“Para Pedro parece ser já o máximo perdoar sete vezes a uma mesma pessoa; e talvez para nós parece ser já muito perdoar duas vezes. Mas Jesus responde: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete”, isto é, sempre”.

Para confirmar a necessidade de perdoar sempre – prosseguiu o Santo Padre – Jesus contou a  parábola do rei misericordioso e do servo implacável, na qual mostra a incoerência daquele que antes foi perdoado e depois se recusa a perdoar:

“A atitude incoerente deste servo é também a nossa quando recusamos o perdão aos nossos irmãos. Enquanto que o rei da parábola é a imagem de Deus que nos ama com um amor tão rico de misericórdia que nos acolhe, nos ama e perdoa continuamente”.

Já a partir do nosso Batismo, disse ainda Francisco,  Deus nos perdoou, cancelando a dívida insolúvel do nosso pecado original, mas depois, com a sua misericórdia sem limites, continua a perdoar-nos sempre:

“Ele nos perdoa todas as culpas assim que mostramos mesmo um pequeno sinal de arrependimento. Quando somos tentados a fechar o nosso coração a quem nos ofendeu e nos pede desculpa, recordemo-nos das palavras do Pai celeste ao servo implacável: “Eu perdoei-te toda aquela dívida. Não devias, também tu, compadecer-te do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?”.

Na oração do Pai Nosso, recordou o Santo Padre, Jesus quis inserir o ensinamento desta parábola, pondo em relação directa o perdão que pedimos a Deus com o perdão que devemos dar aos nossos irmãos: “Perdoai-nos as nossas dívidas assim como também nós perdoamos aos nossos devedores” – disse o Pontífice, enfatizando que o perdão de Deus é o sinal do seu amor irresistível por cada um de nós:

“É o amor que nos deixa livres de nos afastarmos, como o filho pródigo, mas que espera todos os dias o nosso regresso; é o amor surpreendente do pastor pela ovelha perdida; é a ternura que acolhe cada pecador que bate à sua porta. O Pai celeste é cheio de amor e quer oferecê-lo, mas não pode fazê-lo se fecharmos o nosso coração ao amor pelos outros”.

Que a Virgem Maria nos ajude a ser cada vez mais conscientes da gratuidade e grandeza do perdão recebido de Deus, para nos tornarmos misericordioso como Ele, Pai de bondade, lento para a ira e grande no amor.

Após o Angelus Francisco saudou cordialmente a todos os fiéis, romanos e peregrinos, vindos de diferentes países, saudou em particular os fiéis de La Plata (Argentina), os Oficiais da Escola Militar da Colômbia, as catequistas de Rho.e os participantes na Meia Maratona “Via Pacis”:

“Saúdo os participantes da Meia Maratona Via Pacis, que tocou lugares de culto das várias confissões religiosas presentes em Roma. Espero que esta iniciativa cultural e desportiva possa promover o diálogo, a convivência e a paz”.

Por último o Papa saudou os numerosos jovens vindos de Loreto, acompanhados pelos Frades Capuchinhos e também os voluntários Pro Loco e os caminhantes que iniciam a estafeta para Assis.

E a todos Francisco desejou bom domingo pedindo, por favor, para que não nos esqueçamos de rezar por ele.

Fonte: Rádio Vaticano