Highslide for Wordpress Plugin

A morte foi vencida. Jesus Cristo vive eternamente!

 

O Sábado Santo – não havia, no início da Igreja primitiva, uma celebração. O costume era celebrar aos domingos, como memória da Ressurreição de Cristo.  Temos alguns escritos que confirmam uma prática celebrativa neste dia, mas demorou muito tempo, até de fato Pio XII e consequentemente, o Vaticano II, para chegar a uma definição da celebração do Sábado Santo na liturgia da Igreja.

A Vigília Pascal era marcada fortemente pela celebração da palavra, o batismo e a celebração eucarística na antiguidade. Com a reforma litúrgica de Pio XII e a do Vaticano II, as reformulações definiram como deve ser celebrado hoje o Sábado Santo: A celebração da Luz: a benção do fogo novo expressa a luz que vem de Cristo, pedra fundamental da Igreja. A pedra é símbolo do Cristo que ilumina e abrasa os corações.  A celebração do Círio: para nós, é sinal do Senhor ressuscitado, o Cristo-Luz que brilha nas trevas. A liturgia da Palavra: segundo o Missal Romano propõem nove leituras: sete do Antigo Testamento e duas do Novo (Epistola e o Evangelho). Por razões pastorais pode-se diminuir o número de leituras do Antigo Testamento, alerta o missal que: devemos ter em conta que a leitura da Palavra de Deus é o principal elemento da Vigília Pascal. E após a primeira leitura do NT (epístola), o sacerdote (ou outra pessoa indicada, ou o coral) entoa o cântico solene do ALELUIA, marcando este momento novo com muita alegria e fim da tristeza quaresmal. A liturgia Batismal: há duas formas de realizar o rito, uma com batismo e caso tenha adulto, ele recebe o sacramento da confirmação, e a outra sem o batismo-confirmação. A celebração batismal consta da apresentação dos candidatos, a ladainha de Todos os Santos, a benção da água batismal com o simbolismo do mergulho do Círio na água, a renúncia ao mal, e a profissão de fé, onde toda a assembleia participa de modo ativo da celebração como membros do Povo de Deus.

E por fim, a Liturgia Eucarística, com a apresentação dos dons das oferendas e a prece eucarística. Conforme o Missal Romano, os dons podem ser trazidos pelos neófitos, cristãos recém-batizados.

 

O Domingo de Páscoa: a liturgia do domingo pascal possui algumas caraterísticas próprias, como: as leituras são sempre as mesmas em todos os ciclos anuais, A,B, ou C. A sequência pascal revela a alegria, a esperança e a emoção de toda a comunidade. Jesus é o vencedor da Morte, o que rompeu as barreiras do tempo e do espaço, e é o Próprio convite à nossa ressurreição.   Aqueles que não participaram do Tríduo Sacro, precisam tomar consciência do todo do Mistério Pascal, ponto central de toda a liturgia de Deus.

Uma Semana Santa abençoada e Feliz Páscoa!

Fonte: BIO - Boletim Informativo de Osasco