Highslide for Wordpress Plugin

Diocese de Osasco

Últimas Notícias

Artigos, Clero, Diocesanas, Notícias › 19/03/2015

O homem da confiança de Deus

Ele amou a Cristo e Sua Mãe com toda a intensidade do seu coração jovem e viril, sem nunca questionar, sem receber nenhuma paga além do puro e simples amor.

Justíssimo, ele jamais duvidou. Ante a misteriosa gravidez, ele cogitou fugir, aceitando assumir a eventual culpa para salvar aquela que sabia ser integríssima, virginíssima, pura.

Prudentíssimo, era a ele que Deus descortinava os planos de ação: ora receber Esposa e Filho, ora fugir ao Egito, ora voltar de lá. Recomeçando tudo várias vezes, sem murmurar, obedecendo.

Glória da vida doméstica, com seus braços fortes, vertia quotidianamente seu suor, para sustentar Aquele que sustenta todas as coisas, mas não se podia sustentar como Menino. Calejou suas mãos sobre o lenho, por Aquele que sobre o lenho as chagaria para nos salvar.

Nenhum homem tão fiel como ele, nenhum amou tanto. Foi aquele que conquistou o Imaculado Coração de Maria, foi o herói do Menino Deus, seu encanto na terra, seu orgulho, o único que mereceu ser chamado de pai por Ele, além do próprio Deus Pai.

Por isso, São José é o terror dos demônios. Ele serviu com o amor mais puro e intenso, até o fim, sem duvidar. Ao “non serviam” diabólico, reparou com seu “serviam” diário, não ornado por palavra humana alguma — o Evangelho não reporta-lhe nenhuma –, pois não podia falar a boca de alguém cujo coração castíssimo se ocupava em amar com uma força operativa ininterrupta.

Por isso, tal como ao Patriarca José, filho de Jacó, Deus confiou a superintendência sobre o Egito, como primeiro ministro do Faraó, São José recebeu dEle a superintendência, o cuidado zeloso, o depósito dos Seus mais preciosos tesouros, Jesus e Maria. Ele foi o chefe da Sua casa, o dispensário de todos os seus bens; para nós, o melhor intercessor no caminho contemplativo; para o céu, homem da confiança de Deus!

Pe. Dr. José Eduardo de Oliveira e Silva

Diocese de Osasco

Doutor em Teologia Moral pela Pontifícia Universidade de Santa Cruz

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X