Highslide for Wordpress Plugin

Entrevista: Dom João comenta pedido de oração do Papa pelas famílias

Foto: Canção Nova

 

Dom João Bosco Barbosa explica que o Papa quer incentivar orações pelas famílias, tantas vezes feridas por situações da vida

Nesse mês de março, o Papa Francisco coloca em suas intenções de oração as famílias em dificuldade: “para que recebam os apoios necessários e as crianças possam crescer em ambientes saudáveis e serenos”. O vídeo com a intenção do Papa foi divulgado nesta quinta-feira, 10 (confira ao final da matéria).

A família é um dos temas que ganha destaque no pontificado de Francisco, tanto que ele dedicou um Sínodo dos Bispos a esse tema, com a realização de duas assembleias, uma em 2014 e outra em 2015. Através de testemunhos, estudos e diálogo, representantes do episcopado de várias partes do mundo levantaram, na presença do Santo Padre, as principais problemáticas referentes à família.

Dom João Bosco Barbosa de Sousa / Foto: Diocese de Osasco (SP)

O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para Vida e Família da CNBB, Dom João Bosco Barbosa de Sousa, bispo de Osasco (SP), explica que, quando se fala em dificuldades familiares, é preciso partir de uma realidade ampla e observar a grande transformação que a família vem sofrendo nas últimas décadas.

Quem é mais velho, por exemplo, sabe que a família antigamente era diferente do que é hoje e essa transformação é decorrente de mudanças culturais, econômicas, políticas e até mesmo comunicacionais. O bispo explica que houve aspectos positivos nessa mudança, mas, em compensação, ela gerou um déficit de relacionamento profundo, com mais egoísmo e o crescimento dos direitos individuais mais do que os direitos comuns. Hoje, em dia, há famílias feridas, ressalta.

“Isso chamou a atenção do Papa Francisco e ele fez um grande trajeto de reflexão, primeiro para que a gente entendesse a importância da família que estava sendo questionada pela sociedade e está sendo. A segunda coisa, que a gente entendesse quais são os pontos principais que ferem a família, isso foi tratado em dois Sínodos da Igreja. E agora, após esse trajeto de estudo, estamos com a necessidade de colocar em prática pontos que venham socorrer as famílias das mais diversas maneiras”.

conselho do sínodo dos bispos

Para Dom João Bosco, a intenção do Papa ao colocar esse pedido de oração nesse mês de março é fazer com que todos rezem pelas famílias, especialmente aquelas que sofrem. “São problemas econômicos, de natureza espiritual, de abandono da fé, são problemas de relacionamento entre os membros da família e da família com a sociedade em torno (…) Cabe à Igreja sim descobrir maneiras de socorrer a família sabendo que ela é um dom precioso de Deus”.

Comissão dedicada à Vida e Família

Entre as doze comissões de evangelização que a CNBB possui, Dom João diz que a Comissão para a Vida e Família se destaca pela atualidade do tema e pela necessidade de trabalhar com as famílias. Ele foi eleito presidente do organismo na Assembleia da CNBB do ano passado e tem dado continuidade aos trabalhos anteriores.

“O trabalho é voltado para alimentar com subsídios e materiais de reflexão a pastoral familiar em todo o Brasil. A comissão alimenta o trabalho diocesano e paroquial com ideias, subsídios e celebrações”, explicou o bispo, atentando para três materiais específicos: a Revista Vida e Família, que vai para todas as dioceses; a Hora da Família, publicação específica para os grupos de pastoral familiar, e Hora da Vida, na área da Bioética.

Além disso, existe em Brasília a secretaria da pastoral familiar que atende a pastoral familiar do Brasil inteiro. “O que a gente leva para as famílias é a mensagem de que elas devem ser atendidas nas paróquias sobretudo em dois aspectos grandes: sacramental, que sejam preparadas para a vida com Cristo, e no aspecto mais humano, de atendimento, daquilo que a gente chama de feridas das famílias”.

A exortação pós-sinodal do Papa

Após o Sínodo ter discutido os desafios que as famílias enfrentam hoje, a Igreja aguarda o parecer final do Papa Francisco sobre o assunto. Desde Paulo VI, é costume que o Papa escreva, após o Sínodo, um documento que se chama “exortação pós-sinodal”, que se torna o resumo da reflexão feita e dá autoridade para que seja colocada em prática.

Com relação ao documento escrito por Francisco sobre esse Sínodo, ainda não há certeza sobre a publicação. Dom João contou que há comentários sobre uma possível publicação antes da Páscoa, talvez em 19 de março, mas nada certo.

Sobre o conteúdo do documento, o bispo acredita que não haverá mudança de doutrina, uma vez que o Papa tem sinalizado que a doutrina da Igreja é clara e está aí para ser seguida. “O que ele pode trazer pra gente de modo mais claro é como sermos mais acolhedores, mais atentos, mais próximos das famílias, oferecendo essa riqueza que a Igreja tem (…) ele vai deixar claro pra gente, do seu ponto de vista pessoal como líder da Igreja, como representante de Cristo para nós, o caminho seguro pra gente seguir. É isso que a gente espera”.

Fonte: Canção Nova