Highslide for Wordpress Plugin

Formação: a Catequese que queremos

Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

A experiência cristã não se faz ao lado ou acima da história. Os dramas humanos, as angústias e os desafios da humanidade provocam a fé cristã para não fugir do mundo- fuga undi – e impedem o refugiar-se numa oração ou meditação que prescinda do compromisso intra-histórico. Para dar sabor e iluminar, queremos uma catequese:

  1. Cristocêntrica: para ser cristão é preciso reconhecer que Jesus de Nazaré, crucificado e ressuscitado, é o homem de Deus que veio nos visitar e revelar o quanto o Criador nos ama.
  2. Bíblica: é missão também da catequese acolher e venerar a Sagrada Escritura, junto com a tradição, porque ela é palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo, dirigida a nós: “a Bíblia é considerada o livro da fé e, por isso mesmo, o texto principal da catequese”.
  3. Litúrgica: pois em torno da páscoa de Jesus Cristo (paixão, morte e ressureição), em particular na eucaristia, a igreja organizou sua vida litúrgica, e esta deve ser momento privilegiado de catequese. É muito importante, então, introduzir os catequizandos pouco a pouco na liturgia de toda a comunidade, porque a catequese de iniciação ao mistério da fé não é algo intelectual, mas um fato, uma ação, uma experiência vital celebrada e realizada na liturgia da igreja. “a liturgia é fonte inesgotável de formação do discípulo missionário, e as celebrações, pela riqueza de suas palavras e ações, mensagens e sinais, podem ser consideradas como ‘catequese em ato’” (n. 182).
  4. Comunitária: porque a fé é vivida numa comunidade. Não se pode crer verdadeiramente, portanto, em desacordo com a igreja, pois seria um cristianismo privatizado e autônomo, que facilmente cairia no risco de ser uma invenção daquele que diz ter fé.
  5. Solidária: pois a evangelização está sempre ligada à promoção humana. A igreja está a serviço de todos os seres humanos, sempre solidária à vida, desde a concepção até a morta natural, defendendo os diretos dos mais fracos e fundamental opção preferencial pelos pobres, e buscando sempre a vida digna para todos.
  6. Orante: com um efetivo encontro pessoal e comunitário com Jesus Cristo, especialmente na eucaristia. A fé não é um saber teórico, mas o ato de uma pessoa que decide confiar em Jesus Cristo.

Além disso, queremos uma Catequese com todos:

  1. Envolver a família: o diretório nacional da catequese destaca que catequese precisa envolver a família: “não se pode imaginar uma catequese com jovens, adolescentes e crianças sem um trabalho específico com os pais”.
  2. Comunidade: a catequese deve introduzir, iniciar o catequizando na vida litúrgica da comunidade. Nesse sentido, é importante que o catequista leve seu grupo de catequese em vistas à igreja com muita frequência.
  3. Catequistas: os catequistas são discípulos da palavra, caminham como grupo de catequizandos como seguidores de Jesus. Como cuidador das crianças, jovens e adultos que lhe são confiados, o catequista é pastor. Sabe que sua missão é conduzir ao mistério. É ser alguém que introduz o catequizando na vida cristã. É um mistagogo (mistagogo= conduzir, introduzir ao mistério).

A vivência religiosa dos pais, na igreja e na família, colaboram para o bom resultado na catequese dos filhos. Wesley Almeida/ Canção Nova

 

O espaço da Catequese numa dimensão de Leitura Orante da Palavra

A iniciação à vida cristã é um lugar privilegiado de animação bíblica da vida e da pastoral, pois, os processos de iniciação se fundamentam na Sagrada Escritura e na Liturgia, educam para a escuta da Palavra e a oração pessoal, mediante a Leitura Orante, evidenciando uma estreita relação entre Bíblia, Catequese e Liturgia. A Igreja, “comunidade de comunidades” é quem realiza a iniciação à vida cristã, e é ela que educa na fé os adultos, jovens, adolescentes e crianças (n. 67).

A catequese com Leitura Orante tem seu diferencial na utilização da mesa da palavra em cada sala de catequese, e de uma mesa maior que reúne ao seu redor os catequizandos para refletir a mensagem cristã. Na mesa da palavra pretende-se que a leitura da bíblia, na catequese, não seja mero estudo de um livro santo da nossa fé. O fato de ir até essa mesa, postar-se de pé e trocar a toalha de acordo com o tempo litúrgico, por exemplo, revela a necessidade de celebrar a Palavra, solenizar sua leitura, celebrar sua mensagem. Gestos, posturas e lugares determinam o que pensamos e como valorizamos cada momento da vida, é muito importante o zelo pelo espaço, porque ele também é símbolo e deve contribuir na catequese: a) uma única mesa com cadeiras; b) evitar usar quadro negro; c) bíblia em destaque; d) providenciar que toda sala de catequese tenha uma pequena mesa da palavra, com a toalha de acordo com o tempo litúrgico; e) providenciar também vela, flores e água benta;  f) ambiente arejado, alegre, sem muitos cartazes pendurados nas paredes; g) imagem de Jesus, crucificado ou ressuscitado.

Cada paróquia, fiel à organização diocesana e de acordo com a proposta transformadora da iniciação à vida cristã, há de constituir uma coordenação paroquial de iniciação à vida cristã, com os encarregados da preparação ao Batismo, Crisma e Eucaristia. A comissão não poderá ficar restrita ao âmbito da catequese, mas efetivamente abranger o conjunto da comunidade paroquial (n. 153), auxiliando os catequizandos a conhecer e amar Jesus. Aqui se faz indispensável o testemunho de quem já está no caminho. A ênfase deve ser colocada mais no “espírito catecumenal” do que num esquema formal, reatando a parceria e a união entre Liturgia e Catequese, redescobrindo a Liturgia como lugar privilegiado de encontro com Jesus Cristo.

O processo de iniciação à vida cristã realizado por tempos e etapas, ao ser concluído, implica o envolvimento constante da comunidade em favor dos iniciados. Ela os acompanhará, por meio da oração pela sua perseverança; garantirá sua formação continuada para aprofundar a fé, especialmente diante das novas questões e situações ao longo da vida. Estimulará os iniciados a participar da vida comunitária e a engajar-se nas grandes causas da sociedade. (n. 176)

Comissão Diocesana Bíblico-Catequética

Fonte: BIO - Boletim Informativo de Osasco