Highslide for Wordpress Plugin

Ano do Laicato: o protagonismo do leigo nos dias atuais

Foto: A Sociedade de São Vicente de Paulo (Vicentinos) é composta por leigos que desenvolvem o trabalho de promover a dignidade e integridade do indivíduo (Encontro dos Vicentinos no Ginásio José Liberatti - ago 2015).

O documento 105, da CNBB, que tem como título “Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade – Sal da Terra e Luz do mundo” está aí para ajudar a viver bem o tempo presente. É um documento extenso e muito produtivo para as motivações e sugestões, esse documento serviu de guia para o tema central do encontro.

A Assembleia das Igrejas no final de outubro, servirá para aprofundar o tema e preparar o Ano do Laicato em todas as dioceses. Mas podemos começar desde agora: as atividades dos leigos estão organizadas em três setores: a Pastoral Social, os Movimentos e Associações, e a Pastoral Paroquial de Ação Missionária.

Através do documento pode-se entender um Conselho Diocesano de Leigos, eis o fruto para este ano! O conselho de leigos no passado, se tornou muitas vezes restrito aos aspectos sociais, por vezes, até limitado em suas ações. Já um Conselho Diocesano de Leigos que contemple os três setores da Ação Evangelizadora, será um avanço estrutural.

Agora, os leigos devem envolver o mundo com espírito de iniciativa, coragem e convicção. Na época pós-conciliar testemunhamos uma ênfase renovada, dada à prioridade do batismo cristão e às exigências da missão cristã, chamando cada discípulo batizado de Jesus a ser servo do Reino de Deus.

É vital para a missão da Igreja a existência de cristãos leigos bem inseridos nas tarefas do mundo, que entendam e participem a sua pertença integral e ativa na comunidade cristã, como vida simples e empenhada nas variadas circunstâncias do mundo. Mas de novo se vê também como isso só é possível a partir de uma Igreja que se entende toda ela como missionária ao serviço do mundo, a partir de uma consciência que se sente responsável por todos os aspetos da missão e que procura ser fiel aos dons e exigências contidos na vocação.

O leigo é primeiramente e sempre, um cristão na Igreja ou no mundo. Alguém que é chamado a ser discípulo de Jesus, a segui-lo na força do seu Espírito nas diversas situações da vida. Podemos correr o risco de olhar unilateralmente para os diversos dons, modos de agir, ministérios e esquecer que há um só Espírito, um só Senhor, que chama cada um à perfeição, à maturidade cristã no amor de Deus e do próximo.

  • Afinal hoje, qual a atuação dos cristãos leigos na comunidade? O que podemos fazer para organizar as atividades na Pastoral Social, nos Movimentos e Associações, Pastoral Paroquial de Ação Missionária? Como ser protagonista e agir na comunidade?

Conhecendo um pouco a trajetória pós-conciliar, os documentos que trataram sobre o leigo na Igreja, o que animam os leigos serem esta testemunha viva nos âmbitos onde participam? Como trabalhar na ação evangelizadora na pastoral, nas organizações dos conselhos? Tenho sido motivador dessa ação missionária? Estas são pistas e perguntas que fazemos ao nosso interior, e que neste ano poderemos dar passos de amadurecimento como cristãos leigos ativos na comunidade e na sociedade.

Como leigo cristão na Igreja e no mundo, iremos ao encontro das respostas para o chamado a sermos discípulos!

Seminarista Diego Medeiros

Fonte: BIO - Boletim Informativo de Osasco